Editora Sulina
0

    Sua sacola está vazia.

Do Palacinho para o jardim de infância

04/11/2003

Hoje será possível encontrar o vice-governador Antonio Hohlfeldt sem marcar audiência, entrevista ou mesmo visita guiada ao Palacinho. Basta chegar, sem cerimônia, e pedir um autógrafo para o autor da coleção infantil A Escolinha do Lionel, a partir das 15h, no Pavilhão Central da Feira do Livro.

Há dois anos, antes das eleições para o governo do Estado, Hohlfeldt recebeu uma encomenda da editora Sulina: livros para crianças. O autor propôs narrar em seis volumes as situações e medos de um menino ao entrar na pré-escola. Nos dois títulos lançados hoje - Lionel Vai pra Escolinha e O Brinquedo Não É só Meu (Sulina, R$ 9,80 cada) -, o menino enfrenta as dúvidas antes do primeiro dia de aula e também descobre que emprestar um joguinho ao colega não dói nada.

Para criar Lionel e suas peripécias, Hohlfeldt se inspirou na garotada das escolas que costuma visitar - como escritor - e ainda relembrou a infância de seu filho, Samir, 26 anos.

- Naquela época, a gente nem dizia pré-escola. Era creche - lembra Hohlfeldt, autor de outros títulos infantis e adultos, como A Menina das Bolinhas de Sabão.

Se as memórias do vice-governador acertaram o gosto dos guris e gurias de hoje, ele terá a chance de descobrir na sessão de autógrafos. Como a coleção é inédita, esta será a primeira vez em que a nova coleção será avaliada pela garotada - um público que ele considera uma incógnita. Mas as expectativas do autor são modestas.

- Como não sou um best-seller, se estiverem cinco pessoas lá não ficarei frustrado. Nem me acharei grande coisa se forem 50.

Para os cinco, 50 ou mais leitores que aparecerem, Hohlfeldt promete um autógrafo diferente. Já que as crianças de pré-escola ainda não sabem ler, o autor pretende desenhar em vez de escrever. Para isso, vem treinando o traço do ilustrador, Mario Guerreiro, para reproduzir o rosto de Lionel:

- Acho que está parecido, desenho ele com os olhos grandes. Só espero que o Guerreiro não fique bravo.



(Patrícia Rocha para o jornal Zero Hora - Porto Alegre / Caderno Especial 49ª Feira do Livro)

Link: