Editora Sulina
0

    Sua sacola está vazia.

Editoras decidiram apostar na fidelidade de seus leitores

14/11/2003

(CORREIO DO POVO - PORTO ALEGRE/RS)
Enquanto algumas editoras comemoram décadas de participação na Feira do Livro, outras celebram a estréia na Praça da Alfândega, com uma tendência que parece ter vindo para ficar: a segmentação. A Sulina, uma das mais antigas participantes da Feira e que sofreu uma reestruturação em 2000, quando a livraria foi extinta e apenas a editora do grupo prosseguiu seus projetos, com nova razão social (Meridional), enfatiza a publicação de obras voltadas às ciências sociais, à educação e à comunicação. Segundo seu diretor-editor, Luis Gomes, o investimento em públicos-alvo bem definidos é caminho certo para o crescimento no competitivo mercado editorial. 'As editoras gaúchas sofrem com a questão da distribuição, então o direcionamento a públicos específicos é a alternativa, lançando mão de parcerias que proporcionem espaços apropriados para a comercialização das obras', conclui. A Sulina lançou 26 novos títulos na Feira, entre eles 'Meu amigo Jango - Memórias de Manoel Soares Leães', de Kenny Braga, o mais vendido. A expectativa de crescimento nas vendas em relação ao ano passado é de 15% a 20%. Outra editora tradicional na Feira, a Martins Livreiro Editor, prioriza as publicações 'de gaúcho para gaúcho'. O diretor Manoel dos Santos Martins, presente ao evento desde sua primeira edição, ainda como sócio da Livraria Aurora, optou por editar obras de autores gaúchos que tenham o Rio Grande do Sul como temática, a exemplo de 'A odisséia de José Borges do Canto - A conquista das Missões', de Roberto Rossi Jung, que lidera as vendas do selo. Com mais de 500 títulos publicados, entre livros de história, poesia e romances, Manoel Martins acredita que essa é uma forma de valorizar a cultura gaúcha. Neste ano, são 18 novos títulos no estande. Já entre as editoras cuja participação na Feira é mais recente, a Mediação se destaca por publicar obras destinadas à formação de professores. Com descontos que oscilam entre 30% e 60%, com sete anos de existência e há cinco participando da Feira, a Mediação comemora o incremento nas vendas e a credibilidade conquistada junto ao público. A diretora editorial Jussara Hoffmann acredita que as vendas institucionais dariam novo fôlego aos selos especializados em educação, contando com apoio governamental.

Estreando este ano na Feira do Livro, a Bodigaya é especializada em obras sobre budismo, meditação e saúde e festeja a procura acima da expectativa. Liderando os mais vendidos, 'Fundamentos da prática da meditação', de Enio Burgos e Tamas Virag. Também na lista, 'Ikiu', obra sobre budismo para crianças, de Emilio Burgos. Além de lançar cinco títulos, a editora promove nesta sexta-feira, a partir das 17h, na sala Oeste do Santander Cultural, palestra com Rita Cordova, autora de 'Comer - Como, quanto e o quê'.




Link: