Editora Sulina
0

    Sua sacola está vazia.

Carioquices populares

25/09/2007

Passei o final de semana no Rio de Janeiro. Adoro viver perigosamente. Já cheguei depois da meia-noite para sentir emoção na Linha Amarela. A adrenalina vai lá em cima. De graça. Nem é preciso se abastecer com os fornecedores que residem ao longo do caminho. Participei da Bienal do Livro. Era uma mesa com Marcelo Rubens Paiva, Miguel Paiva, Luis Eduardo Mata e Fernando Molica sobre um tema empolgante e original: homem que é homem não chora? Acho que me escolherem por mera provocação. Minha credencial era ser gaúcho e ter escrito 'Para homens na crise dos 40 e para mulheres interessadas em compreendê-los'. Cheguei a uma conclusão: os cariocas são sexualmente obcecados pelos gaúchos. As cariocas gostosas, nem tanto.

Os cariocas são tarados por nós. Sempre encontram um jeito de duvidar da nossa virilidade. Creio que sentem vontade de testar. Eles adoram ser governados por gaúchos. Acreditam que representamos a ordem em meio ao caos nacional. Tanto que, dos quatro grandes clubes de futebol do Rio, três são comandados por gaúchos. Deve ter sido por isso que elegeram o Brizola duas vezes e nem se arrependeram. Ainda vou me candidatar a governador do Rio de Janeiro. Só preciso melhorar o meu sotaque gaudério para ter boas chances de ganhar ao menos uma vez. Carioca acha que todo gaúcho fala como personagem de filme da Casa de Cinema. Sem 'bah' e 'tchê' a cada três frases, não ganha voto. Sem dúvida, os cariocas são seres muito estranhos e ainda não suficientemente estudados pela antropologia.

Sempre aprendo muito no Rio de Janeiro. Na praia, na Barra da Tijuca, escutei uma conversa exemplar. Um sujeito perguntou para outro: 'Afinal, o que esse cara é seu?'. Resposta categórica: 'Nada. Ele é só o filho da minha mulher'. Risos! 'Ah, ele é seu enteado.' Silêncio. 'Não, ele não é viado, não.' Gargalhadas. 'Não falei viado, falei enteado.' Silêncio. 'Que droga é essa, enteado?' Risos. 'É o filho que outro cara fez na tua mulher.' Consternação. 'Ah, então ele é meu parente?' Não bastasse isso, soube que a Bebel, da novela das 8 da Rede Globo, vai tirar férias em Porto Alegre, que é uma cidade de 'catigoria'. Quando eu falo que tudo é cópia, tem gente que se aborrece. Mas o filme 'Tropa de elite' foi copiado antes do lançamento e visto por mais de 2 milhões de pessoas. Até Gilberto Gil ganhou uma cópia pirateada. Viva a cópia! E a Grazielli Massafera mostrou as formas numa revista e avisou que já começou a ler jornais. Em breve, vai atacar os livros, a começar pelos de auto-ajuda. Finalmente, uma pessoa sincera.

Já a próxima edição da Playboy terá uma entrevista com Diogo Mainardi e as fotos de Mônica Veloso. É uma mistura perfeita. Os senadores ficarão indecisos: o que ver primeiro? É pau puro! O Photoshop das imagens da amante de Renan Calheiros não deu conta e foi preciso refazer tudo. Um estrago só. Não haviam dito que a moça não era de se jogar fora? É mais um desses casos em que a cópia supera o original. A propaganda enganosa consegue vender o verdadeiro como falso. Talvez tudo isso não passe de uma piada de carioca. É um povo esquisito. Ri de tudo. Eu não sei de onde carioca tira energia para olhar revista de mulher pelada. De resto, no Rio, mulher pelada é redundância. Deve ser por isso que os machos cariocas se interessam tanto pela virilidade dos atléticos gaúchos.

(Juremir Machado da Silva para o Correio do Povo - Porto Alegre - RS)


Link: www.correiodopovo.com.br