Flagelos e horizontes do mundo em rede
Política, estética e pensamento à sombra do pós-humano
Eugênio Trivinho




Outros livros desta coleção

ISBN: 978-85-205-0518-2
Categoria: Comunicação
Edição: 1ª - 2009
Formato: 14 x 21
Nº de Pag.: 230
Peso: 0,200 Kg
Preço: R$ 42,00

Reúne ensaios de importantes pesquisadores brasileiros em torno de uma agenda comum de reflexão sobre temáticas centrais da cena social, política, cultural e tecnológica contemporânea. O mundo em rede ou, em outras palavras, o cibermundo – há muito um sinônimo silencioso de sociedade pós-industrial avançada, capitalismo informacional, sociedade de controle, civilização mediática, e assim por diante – é, em síntese e no todo, uma multicultura – a cibercultura –, complexa per se, configuração material, simbólica e imaginária da vida humana em sua fase histórica atual, tão aberta à teoria e à crítica quanto insuficientemente compreendida. Da releitura politizada do passado à crítica do imaginário tecnológico do futuro – do humano ao pós-humano –, a obra apreende, pois, contradições fundamentais da civilização atual, sem atualizar classificações desgastadas ou referendar polos estanques. Flagelos e horizontes não espelham, com sentidos novos, a velha cantilena da divisão entre apocalípticos e integrados, pessimismo e otimismo, disforia e euforia, niilismo e voluntarismo, luddismo e ciberufanismo, e similares. Fundamentalmente, a obra se situa para além de todo e qualquer maniqueísmo, seja ele qual for. Com a lucidez que o debate consistente exige, ela oferece subsídios teóricos e conceituais para uma visão abrangente, renovada e questionadora sobre a era em curso, contribuindo para desvelar mazelas e potências do chão civilizatório em que pisamos – o nosso solo, entre tanto sangue espalhado e tantos horizontes disponíveis.
Confira a fanpage da Editora Sulina www.facebook.com/editorasulina

 

 

 
 


Voltar | Imprimir

 

Os dados pessoais fornecidos pelos usuários do site www.editorasulina.com.br são assegurados pela seguinte Política de Privacidade